Turismo: abordagens e tipologia

--*--

Turismo diferente

A Espanha lançou a ideia de uma oferta turística diferente no turismo em áreas rurais, baseada nas novas orientações da demanda que exigia maior relacionamento entre visitantes e a população local, maior conhecimento dos destinos e a possibilidade de praticar ócio ativo.

Essa nova oferta, a qual foi considerada diferente em relação ao turismo litorâneo, deveria ser controlada e dirigida pela população local, ser/indo como meio de promoção social e como alternativa para evitar o êxodo rural (Femández,1987, p.72).

Turismo de interior

Em alguns países da Europa, as políticas de desenvolvimento turístico foram direcionadas para o interior, já que o litoral apresentava visíveis sinais de degradação decorrentes do turismo de massas. O turismo rural segue, portanto, a lógica do turismo alternativo, ganhando também a conotação com o interior, pois, em alguns países, os litorais (e, às vezes, as montanhas) escapam à concepção do que se entende por zona rural. Genericamente, porém, não se pode afirmar que todo turismo rural é interior.

Oxinalde (1994) e Moreira (1994) lembram que, na Grécia, cooperativas agro turísticas desenvolveram-se na costa, como é o caso de Petra, rompendo com a ideia do turismo rural como um turismo de interior. No Brasil, existem vários empreendimentos de turismo rural no litoral, como roteiros para visitas às fazendas na Costa do Cacau, na Bahia.

Turismo doméstico

Essa ideia reside na possibilidade de atrair uma demanda doméstica, considerando que, em alguns países europeus, como foi o caso da Espanha, o turismo internacional fora abalado por crises econômicas em diferentes épocas.

Turismo integrado

Nessa proposta, o turismo deve estar integrado a outras atividades, beneficiando o desenvolvimento local e regional. Unwin (1996, p.266), estudando a Estônia, relata a expansão de produtos manufaturados, o desenvolvimento da pesca, da caça, da natação, do esqui e a especialização na produção de alimentos de alta qualidade. Além disso, esse autor apontou o turismo rural como fator de sucesso para manter o estilo de vida rural. Beni (1997) oferece subsídios ao planejamento integrado do turismo no qual aponta questões no âmbito nacional e outras referentes ao espaço local.

Turismo endógeno

Corresponde aos deslocamentos realizados intrafronteiras de um país, região ou localidade, não importando a origem do turista. Conforme Moreira (1994, p.105-106), a excessiva abrangência dessa expressão acaba incluindo no turismo rural realidades que se inserem em uma outra lógica, como é o caso das estâncias balneárias, termais e esportivas e, ainda, das cidades com importante patrimônio histórico.

Além disso, dificilmente o desenvolvimento turístico se processa em um plano estritamente endógeno. Em uma acepção mais recente, turismo endógeno pode identificar-se com o desenvolvimento de base local pesquisado e difundido por Rodrigues (2000). Almeida (1999) caracteriza o desenvolvimento endógeno como a mobilização dos recursos disponíveis, envolvendo a decisão local.

Turismo alternativo

Essa expressão não é específica do turismo no espaço rural, mas se aplica ao turismo corno um todo. Está baseada na pressão ambiental que o turismo exerce sobre determinadas áreas. Esse critério foi a base para distinguir dois grandes grupos: turismo convencional e turismo alternativo.

O ponto em comum entre aqueles que aceitam o turismo alternativo, expressão de maior interesse para o turismo no espaço rural, é entender essa forma como oposta ao turismo convencional, massificado. Essa expressão vem sendo objeto de polêmicas por ter muitas conotações e por permanecer ambígua ao evocar a substituição do turismo de massas.

Pressupõe que, enquanto alternativo, o TER deve nortear-se pelos princípios da sustentabilidade o que, em tese, evitaria a degradação ambiental. Empiricamente, entretanto, verificou-se que, em algumas áreas, tanto o turismo no espaço rural quanto o turismo rural propriamente dito, assim como outras formas do chamado turismo alternativo, têm assumido características de massificação.